saga de uma tímida/insegura/atrapalhada/parva cujo dom é sonhar

Segunda-feira, 30 de Agosto de 2010

Este fim de semana fui até à praia e estive com uns familiares, fomos almoçar e estava a falar com uma prima sobre a filha dela que tem uns dezoito anos e ela estava-me a falar do ex namorado dela e do actual e assim. Ela não gostava do primeiro namorado dela e o pai também não lool diziam que era feio e a conversa estava um bocado cómica lool enfim, mas depois falou do meu, a minha mãe disse que eu estava solteira ao que o marido dessa prima disse que estava livre o que ficou assim um bocado idiota mas enfim deu para rir depois lool. A questão é que depois estava a falar com essa prima e ela estava a dizer que tinha que aproveitar que também ficar logo assim com o primeiro não era muito bom e que devia ter acabado mais cedo porque quatro anos assim para depois acabar e inda por cima o primeiro é muito tempo lool. Depois disse que eu era bon ita não ia ter problema nenhum tinha que aproveitar. Ora bem aqui é que ficou a questão, é que me soube muito bem ouvir aquilo. É que muitas vezes quando alguém me faz um elogio eu não consigo acreditar, não consigo sentir o meu ego mais elevado e desta vez senti que não foi pra me agradar ela estava mesmo a pensar naquilo, no desperdicio que era namorar quatro anos com o primeiro namorado e que eu era bonita não ia ter problemas lool enfim, senti que era verdadeiro o que ela estava a dizer e que não era nada para me agradar. E claro que nesse dia senti-me um bocadinho mais poderosa lool. Depois no fim de semana esteve-se muito bem, brinquei com os meus meninos na praia o meu primo é muito querido comigo, tanto é pestinha como a criança mais querida mas comigo ele vai sendo querido, eu axo que sei lidar bem com eles, pelo menos a maior parte do tempo. A minha afilhada também gosta muito de me dar beijinhos e tudo mais, gosto muito de ter uma relação tão carinhosa com ela. Mas hoje encontrei uma coisa que me pôs muito.... não digo triste, mas enfim, passo a explicar. Encontrei um diário que tinha entre os doze e catorze anos, não tem muitos textos porque escrevia uns tempos e depois largava e depois voltava a escrever. Entre as aventuras da minha paixão pelos Anjos os concertos e tudo mais, a paixão por um colega da escola e por aí, tinha um texto em que falava do meu dia de anos quando fiz catorze anos e falava do dia e das coisas que tinha recebido e falei de uma prendita que uma amiga me deu que tinha tido importância para mim. Era um peluche num porta chaves e um postal. O peluche ainda o tenho, o postal já não me lembrava, estava guardado no diario. Dizia uma coisa muito linda, tinha uma quadra que era para ler com a musica dos parabéns mas com aquela letra. Dizia que eu era a melhor amiga que ela alguma vez teve e que não havia outra igual e mim. Pôs em letras grandes a palavra amiga e eu fiquei doente ao ler aquilo. Vieram-me as lágrimas aos olhos e só não chorei porque ando bloqueada. Ela era uma amiga que tive durante alguns anos, andava comigo na escola desde o quinto ano mas só comecei a dar-me melhor com ela praí no oitavo ano. Durante esse tempo, fomos muito amigas mesmo, eu gostava mesmo dela, como nunca gostei de uma amiga. Ultimamente isso andava adormecido mas agora lembrei-me. Lembrei-me da simplicidade dela, da honestidade da sinceridade, da amizade que ela tinha que era mesmo verdadeira. Não me dizia coisas para parecer bem, não competia comigo enfim, apercebo-me agora que ao contrario do que dizia no outro dia, afinal tive uma amizade que realmente tinha valor. Isso é reconfortante por um lado, porque sei que tive essa relação com alguém, mas fico triste pela forma como as coisas foram acopntecendo. No décimo ano fomos para turmas diferentes e já não nos encontravamos tanto, ela arranjou outros amigos mas continuavamos a ser muito amigas apesar de não nos encontrarmos tanto. Às vezes haviam coisas que se estavam a combinar e eu lembrava-me dela e dizia que tinhamos que lhe dizer e assim. Por exemplo, sem nos falarmos há bastante tempo ela falou-me do primeiro namorado que estava a conhecer na altura, depois pediu-me a mim para ir com ela a um ginecologista pela primeira vez quando tinha duas irmãs em casa. Havia uma confiança grande entre nós. Podiamos confiar uma na outra. Depois de haver essa distancia por causa das turmas diferentes e assim, fomos para a universidade e a distancia que tive com os outros amigos com ela foi maior. E pior, eu tive situações como passar por ela, olhar para ela, entrar dentro do carro e só depois ter percebido para quem tinha olhado, ela deve ter pensado que eu fui completamente arrogante, depois estive em alguns sitios que ela estava e com vergonha, olhei para o lado e fingi estupidamente que não a vi. Ela também fingiu porque também é um bocado enverginhada e tinha passado muito tempo desde a ultima vez que nos tinhamos visto mas a culpa foi maioritariamente minha, eu fingi, tive a situação de olhar para ela e não a reconhecer, esqueci-me constantemente da data de anos dela, não sei porque mas não me lembrava mesmo, lembrava-me da data de pessoas sem a importancia que ela tinha mas esquecia-me constantemente daquela data, perdi o numero dela de telemovel,enfim. Estraguei tudo, estraguei mesmo tudo. Ela deve estar desiludida comigo, deve axar que estou arrogante que não lhe liguei nenhuma por estupidez enfim. Sinto muitos remorsos por isto e ver aquelas palavras dela fez-me lembrar de como ela era importante para mim. Agora não tenho contacto dela e ela deve ter uma ideia de mim pouco positiva. Alem de que à merdida que ela se foi tornando adulta sei que a personalidade dela foi cativando com certeza mais pessoas porque ela é uma pessoa como deve ser, mesmo. Se eu soubesse tinha mantido aquela pessoa na minha vida. Que pena. Não sei descrever a pena que sinto por ter perdido a amizade dela. Se desse para recuperar. Não posso voltar a fazer isso. Se ao menos fosse mais facil para mim. Mas hoje em dia já não fazia as coisas como fiz. Na altura estava a entrar numa situação de isolamento que mais parecia um bichinho do mato e nem tinha bem a noção. Hoje em dia já dava mais valor ao que tem valor e já me forçava mais a encarar as pessoas. Pelo menos axo isso. Mas é mesmo pena que não tenha sabido fazer aquilo com a B. Fomos amigas muito menos tempo do que fui com outras pessoas e tive uma amizade muito mais verdadeira e muito mais profunda com ela e apesar de já ter mais ou menos essa noção antes, agora pensando no assunto de verdade vejo que aquilo sim era amizade. Era com ela que partilhava as cartas do rapaz por quem tinha uma paixoneta, era ela que me ajudava, era ela que me dava conselhos e me dizia as coisas mesmo que não fossem muito positivas, era ela que quando me fazia um elogio é porque era verdade, era com ela que fazia o enorme esforço de acordar mais cedo só para poder ir com ela a pé para a escola. A sério, como é que não me apercebi tão bem na altura. O pior é que ela continuou a mesma pessoa e eu fui-me deixando afastar e fui ganhando medo de me encontrar com ela e fui ganhando a imagem de arrogante com ela quando o que tinha era muita vergonha, uma vergonha completamente idiota. Bah, nem vale a pena pensar mais nisso. Quando começarem as aulas tenho vontade de fazer coisas, criar rotinas, ter o que fazer, sair mesmo que não me apeteça, esquecer o orgulho e falar com quem não me tem apetecido, forçar-me a falar com as pessoas, dar-me mais apesar da minha imagem na universidade ser já aquela que está sempre no canto dela e parece que as pessoas à partida já não querem insistir muito, enfim. Tenho vontade de mudar as rotinasd quando estiver nas aulas. Já sei que quando chegar lá as coisas são diferentes e volto a retrair-me mas tenho que me focar. Bom e é isto, ler um diário pode ser bom mas deixa uma nostalgia desgraçada. Espero conseguir focar-me agora, tenho que fazer o que puder por isso, espero que a vontade se manhtenha e que não me distraia com outras coisas que me põem menos bem.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 22:53
link do post | dar palpite | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 29 de Agosto de 2010

Estou perto do Azurara Beach Party e tenho-vos a dizer que é uma pena ouvir tantas ambulâncias a ir para lá (para além de estar para aí a uns três quatro km e parece que é aqui ao lado). No ano passado fui e haviam miudos podres de bêbados à meia noite, antes daquilo estar a dar a sério, enfim. Os miúdos mais novos são os piores, têm uma mentalidade tão pobre que mete impressão. Eu sei que estas coisas puxam à bebida mas eu vejo os putos num estado que mete dó. Básicamente quando há este festival, e outros com certeza andam as ambulâncias a servir de ama seca e motorista aos miudinhos que se põem em coma alcoolico propositadamente, levando-os embora do festival para onde se tinham ido divertir, mas preferem não aproveitar a noite, ficar mal dispostos e tudo o que aquele estado acarreta. Outra coisa que me põe a pensar é o trabalho dos médicos e enfermeiros que andam pra lá e pra ca atrás dos putos bebados e deixa-me a pensar na eventualidade de alguém precisar de uma ambulância por causa de um problema mais sério e que não o escolheu (ao contrario dos putos) e as ambulâncias estarem enfiadas no meio do festival a carregar os putos bebados (já escrevi putos bebados muitas vezes?!). Estes são os que dizem que bebem socialmente porque em casa só bebem sumos e aos fins de semana e nas festas põem-se em coma alcoolico (e há muita gente que se põe assim sucessivamente), e eu pergunto-me onde fica o socialmente porque se eles acham que aquela figura e aquele estado se chama socializar, esta gente anda muito mal enganada. Se calhar pareço muito séria a dizer isto mas uma coisa é uma bebedeira de vez enquando porque se vai bebendo um e outro copo enquanto se está com os amigos, outra coisa é beber até encharcar, sendo que já se sai de casa com essa intenção e ficar não só com uma bebedeira mas num estado que só a ambulância o pode tirar de lá. E olhem que eu sou tímida e o alcool me é muito util para me desinibir mas confesso que ter uma dor de cabeça monumental no dia seguinte e vomitar até às entranhas não é coisa que valha estar tão desinibida tantas vezes. Enfim, eu sei que isto parece muito moralista, mas realmente custam-me entrar na cabeça certas modas.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 03:05
link do post | dar palpite | favorito

Quinta-feira, 26 de Agosto de 2010

Isto estava no blog da Dolce Scrittora e olha apeteceu-me lool. Às vezes ajuda a pensar numas coisas, e confesso que acho que vou fazer uma coisa do género mas mais pormenorizada porque só esta brincadeira me fez pensar um bocadinho nas coisas, como elas eram, como são e como eu quero que sejam. Tudo bem que hoje é um dia optimo para isto porque estou com bom humor, mas enfim vou mesmo pensar em por num papel aquilo que sinto agora e o que quero fazer. E lá vou eu responder ao questionario.

 

HÁ 10 ANOS:
1. Estava com o sexto ano feito.
2. Tinha quatros e cincos, talvez um três a física mas fora das aulas fazia muito exercicio.
3. Tinha amigos e era sub delegada de turma ah e tinha uma paixão mais ou menos secreta pelo Serginho lool.

HÁ 5 ANOS:
1. Ía para o décimo segundo ano e axava o máximo dizer que estava no décimo segundo ano.
2. As notas não eram brilhantes, gostava que fossem melhores mas não me esforçava muito para melhorar, tinha uma média praí de 15 que agora me parece muito boa.
3. Já conhecia o meu ex, andava a falar com ele na net e axava que, como ele não me conhecia, com ele podia ser quem eu queria. Enganei-me redondamente e quando começamos a namorar não fiz nada na altura que realmente me apeteceu.

 

HÁ 2 ANOS:
1. Já estava na universidade, tinha duvidas constantes do que andava ali a fazer e sentia-me sozinha embora acreditasse que tinha os meus amigos apesar de estarem longe.
2. Tinha discussões com o ex namorado (na altura era actual) porque ia passar férias com os meus pais e não podia estar com ele. Sentia-me entre a espada e a parede.
3. Comecei a ficar stressada com a quantidade de disciplinas que tinha para trás.


HÁ 1 ANO:
1. Passei umas férias optimas no Algarve, não tive o mínimo de saudades do namorado.
2. Fiz dois acampamentos com o T. e os amigos, gostei muito mas secretamente não tava bem com o T.

 3. Sentia um grande ânimo para as aulas e achava que iam correr bem, mas quando lá cheguei tive uma crise de pânico e não entrei na sala e isso acabou por condicionar o semestre todo.

ONTEM:
1. Acordei para almoçar, cansada.
2. Decidi que ia apanhar um sol para bronzear, mas fui ver televisão com a minha mãe e acabei por dormir metade do dia.
3. Decidi ir lanchar com a minha mãe e fomos às compras.

 

 HOJE:
1. Acordei para almoçar, cansada.

2. Levei a minha avó a uma consulta e lanchamos.
3.Jantei com os meus pais, estivemos muito bem dispostos e agora estou à espera que dê Donas de casa Desisperadas que muitas vezes é dos momentos altos do meu dia lool por mais triste que isso pareça.

AMANHÃ EU VOU:
1. Acordar para almoçar lool
2. Perguntar trinta mil vezes o que vamos fazer no fim de semana.
3. Talvez tomar café com a minha mãe e o meu irmão. 

CINCO COISAS SEM AS QUAIS NÃO POSSO VIVER:
1. Família

2. Amor (senti-lo e demonstra-lo)

3. Rir e fazer rir
4. Os meus meninos (primos) e os meus animais de estimação (e ponho-os juntos com o maior carinho)

5. Música


CINCO COISAS QUE EU COMPRARIA COM 1.000€ :
1. Umas férias em família
2. Bilhetes de cinema

3. Coisas que me divertissem com a minha família
4. lingerie (pode parecer parvo lool mas gosto e qualquer dia faço colecção lool)

5. Comprava coisas fúteis, roupa, sapatos, maquiagem, perfumes enfim lool

CINCO MAUS HÁBITOS:
1. Pensar muito
2. Desvalorizar-me (mas só ao dizer isto já estou a dizer que tenho valor lool)

3. Pegar em coisas e ficar com elas na mão até reparar
4. Desarrumar o quarto e levar muito tempo a arrumá-lo, às vezes axo que tenho a sensação de estar à espera que ele se arrume
5. Guardar coisas que não lembra a ninguém

CINCO SÉRIES DE TV:
1. Doctor House

2. Simpsons

3. Escritório

4. Aqui não há quem viva

5. Gato Fedorento


TRÊS COISAS QUE ME ASSUSTAM:
1. Perder as pessoas que amo
2. Doenças
3. Possibilidade de as pessoas que amo não serem ou estarem felizes

TRÊS COISAS QUE ESTOU VESTINDO NESTE MOMENTO:
1.  Vestido
2. Cuecas
3. Relogio lool

QUATRO DAS MINHAS BANDAS FAVORITAS:
1. Klepht
2. U2
3. Coldplay
4. Bon Jovi

TRÊS COISAS QUE EU REALMENTE QUERO AGORA:
1. Ser Feliz com a minha família.
2. Apaixonar-me.
3. Ter força e ânimo.

 


TRÊS LUGARES ONDE QUERO IR DE FÉRIAS:
1. França, os sitios onde a minha mãe viveu
2. Brasil
3. Maldivas

 

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 23:29
link do post | dar palpite | ver comentários (1) | favorito

Hoje estou bem disposta, acordei logo com boa disposição apesar de me ter deitado muito tarde porque não conseguia adormecer. Além disso andava eu às voltas na cama quando ouvi um barulho, olhei para o tecto do meu quarto e andavam lá três morcegos a voar. Eu estava a dormir de janela aberta e eles entraram, fiquei cheia de medo, meti-me de baixo dos lençois, eles aproximavam-se eu sai do quarto a corrar, fui chamar a minha mãe e lá andamos nos a correr atras dos morcegos. Eles não saiam e foram para o corredor, depois dois sairam e pensamos que o outro também tinha saido. Pois o desgraçado enfiou-se de baixo da minha cama e passado um bocado saiu de lá e lá comecei outra vez aos gritinhos. Eu não tenho problemas com bixos mas quando eles se mexem muito na minha direcção eu tenho um certo problema. Hoje vou dormir de persiana baixada. Bom, quando a minha mãe acordou de manhã para fazer o café ao meu  pai, eu ainda não tinha dormido. Mas acordamos bem dispostas as duas até, aliás mesmo na noite anterior nos rimos ao andar atrás dos morcegos. Enfim, não tenho exactamente um motivo obvio mas estive bem disposta hoje. Fui levar a minha avó ao médico, fomos lanxar, ela falou muito, deu-me dinheiro e eu detesto quando ela faz isso porque fico sem saber o que fazer e não quero que ela fique a pensar que a levo aos sitios para ela me dar dinheiro, aliás por isso fomos lanxar pensei que ela ficava satisfeita por me pagar o lanche e não vinha com as notinhas, mas veio. Ela anda um bocado em baixo porque lhe desapareceram uma jóias em casa e ela põe-se a desconfiar de algumas pessoas, tipico de velhota mesmo mas a verdade é que provavelmente foi ela que trocou de sitio e não se lembra, mas fica triste e no outro dia até chorou e uma mulher como ela parte-me o coração quando chora e já me pôs a chorar a mim também uma vez porque não é habitual, a minha avó é das mulheres mais fortes que conheço, com duas operações complicadas seguidas, uma à coluna e outra ao coração, ela fez uma recuperação optima e não faz grandes restrições na vida dela, enfim tem as coisinhas dela e já se nota aquelas coisinhas de velhota mas é uma mulher muito forte. Bom, também encontrei uma amiga do T. com o namorado, cumprimentei-a mas passou-me pela cabeça não a cumprimentar, fingir que não a vi, senti aquele impulso, mas não, olhei para ela e cumprimentei-a. Por acaso até gostava dela, não concordava com as ideias dela mas gostava dela e sentia que ela gostava de mim por acaso porque me fazia sempre alguma "festa" quando nos viamos e às vezes fazia questão de falar comigo e assim. Quando a cumprimentei, depois dei por mim e tinha as pernas a tremer. É tão estupido ter essa reacção, não tem motivo nenhum mas fico mesmo assim. A sensação não é nada boa, mesmo que saiba que é ridicula. Mas enfim, fiz o que devia e cumprimentei-a e gostei de a ver. No outro dia sonhei que dei uma festa de arromba para festejar os meus anos lool um bocado atrasad mas enfim. O engraçado é que a festa estava mais ou menos dividida entre coisas para crianças e coisas para adultos e eu estava na "secção" das crianças com direito a animações e um perfume que vinha dentro de um frasco de peluche em forma de relógio (?). Mas depois eu não podia ficar com o perfume e os meus amigos arranjaram maneira de mo dar. Isto são coisas reprimidas que juntei com coisas estapafurdias que devo ter visto na televisão ou assim antes de dormir. No outro dia o P. (amigo até ao liceu) falou comigo no messenger, tratou-me pelo diminutivo e não me apeteceu responder, resolvi continuar o que estava a fazer e depois respondia, mas ele foi embora depressa, soou mesmo que me ia pedir qualquer coisa. Tenho evitado ir ao messenger. Depois vou-lhe perguntar o que queria mas não estou com muita vontade. Estou a fugir às coisas eu sei, e se calhar estou a fugir de coisas que até iam ser do meu interesse e até iam ser boas, mas estou com falta de vontade de falar com eles. Depois logo vejo o que era. E é o que tenho a contar por hoje.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 22:37
link do post | dar palpite | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 23 de Agosto de 2010

E é assim que o meu blog se torna hoje ainda mais desinteressante. O meu tema hoje são as cólicas. Isto porque sou uma mulher que sofre muito com isto e hoje foi um daqueles dias. Para os homens que dizem que as melheres se quaixam porque não levaram um pontapé nos.... no abono de familia, tenho-lhes a dizer que são uns tótós e não fazem a minima ideia do que se trata. Um pontapé nessa zona peculiar dá uma dor que imagino que é intensa mas é rapida, não demora muito a passar a não ser que seja uma coisa mesmo forte mas isso até o dedo mindinho na porta doi e nós também temos disso. Hoje tive um dia em que a TPM me bateu com força logo pela manhã e depois do almoço, bom, fiquei de tal maneira que não tinha força até respirar fundo era um esforço e axei que ia desmaiar. Só não pedi para ir ao hospital porque não me imaginava a chegar até ao elevador a não ser que fosse a rastejar e olha lá. Eu deixei de tomar a pílula uns tempos porque o sabor adocicado daquilo andava-me a enjoar mas comparando com o mau estar de hoje, venha a pilula revestida com o melhor da sacarose. Mulher sofre, caramba alguém que me diga o que os homens têm comparado com a TPM, o período aos doze anos (ou aos dez como eu!) todos os meses, as cólicas, a pílula, a celulite, o ginecologista (e se for uma mulher provavelmente vai falar do pelinho que não foi bem depilado, sim é verdade!), a depilação às virilhas (porque os homens agora fazem depilação, mas nessa zona já não é bem assim lool), as dores do parto, as alterações hormonais na menopausa (se bem que eles têm a andropausa, mas não falam dela que é pra ver se passa despercebido), enfim. Eu não me estou a queixar por ser mulher, gosto de ser mulher, ainda bem que nasci mulher e mesmo com essas coisas todas prefiro ser mulher (e se não preferisse também estava num lindo sarilho possivelmente lool). Enfim, por estas e por outras, muitas outras diga-se, é que as muolheres merecem toda a consideração e têm todas o seu valor.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 00:49
link do post | dar palpite | ver comentários (3) | favorito

Quarta-feira, 18 de Agosto de 2010

No outro dia estava a falar com a minha mãe e ela pôs-se a pensar que se visse bem a minha personalidade em criança ainda se via agora lool. Rimo-nos um bocado mas a minha mãe estava mesmo a aperceber-se daquilo. Viu isto porque eu às vezes fico muito aborrecida como os adolescentes, não consigo estar parada e estou sempre a perguntar-lhe se vamos fazer alguma coisa e fico zangada quando não pode ou não lhe apetece fazer qualquer coisa e sinto-me mesmo aborrecida e chateada quando não tenho nada para fazer, são os chamados bichos carpinteiros. Ela diz que já na altura eu era assim, tinha que estar a fazer alguma coisa, se estivesse aborrecida tinha que fazer uma asneira, ou a enfiar qualquer coisa nas tomadas, ou a dar banho aos gatos na sanita. Eu disse que agora não fazia asneiras, a minha mãe tentou dizer que sim e eu perguntei-lhe qual foi a ultima asneira que eu fiz e lá a convenci que sou bem comportadinha. Mas a minha mãe disse-me que isso devia estar por aqui escondido. Também falou do facto de eu seduzir as pessoas, quando iamos buscar o meu irmão à escola havia lá um quiosque onde vendiam gomas e eu gostava de ir brincar em frente ao quiosque do senhor que dizia que quando fosse grande ia partir muitos corações e depois dava-me uma goma. Todos os dias! E eu gostava de ir brincar para ali, a minha mãe ralhava mas eu acabava por ir lá. Mas a questão é que eu juro que me lembro de fazer aquilo inocentemente. Essa parte de seduzir as pessoas também ha-de estar por aqui escondida, bem escondida. Depois falamos de varias coisas que nos lembramos e em que eu levava à letra o que me diziam, pois que se o senhor dizia que eu podia comer as amendoas da montra à vontade, eu comia-as todas, pois que se me diziam que aquela coisa saborosa no prato era só pra mim (na brincadeira), eu comia tudo, enfim, não queria dar exemplos so de comida mas não me lembro agora de mais nenhum lool fica a ideia de que eu era inocente a creditava no que as pessoas me diziam, não havia fretes. Mas isso é coisa de criança, e é tão bom. Basicamente lembro-me de ser tímida e dizem-me que era muito irrequieta e extremamente, acentue-se o extremamente curiosa. Se me dissessem para não fazer aquilo tinham que me explicar porque com detalhes porque se não eu ia ver o porque de aquilo não se fazer. Axo que hoje isso se reflete se calhar quando eu tento perceber a razão porque eu ou outra pessoa reagiu desta ou daquela maneira, ao estudar essas coisas nas pessoas, os comportamentos das pessoas, axo que faço muito isso. Talvez continue ligeiramente curiosa. Gostava de ser um bocadinho mais espevitada como na altura. Sera que na altura se podia fazer alguma coisa para que a timidez que sentia na altura não aumentasse para a maneira que é hoje. E será que ainda existe alguma coisa de quando aprendia as coisas só de ver ou ouvir, como quando aprendi os numeros muito antes das outras crianças, quando as educadoras mostravam as minhas "habilidades" umas às outras enquanto as outras crianças brincavam, quando peguei numa flauta e toquei uma musica só de ter visto o meu irmão a estudar, quando aprendi inglês sozinha ao traduzir as munhas musicas favoritas, quando não estudava para os testes porque bastava o que ouvia nas aulas e isso aconteceu muito tempo mas agora não tenho grande capacidade de estudo talvez porque já não tenho esse habito. Ou seja, claro que as nossas crianças são sempre mais inteligentes e fazem coisas mais giras, é essa a ideia que temos até de nós proprios quando eramos pequeninos mas eu até que era uma criança inteligente dentro da minha normalidade. Agora parace que saí de uma tuma de bons alunos no secundário e descobri que afinal eu andava ali escondidita e por engano me foram dando umas notas jeitosas ou então talvez os apontamentos das boas alunas nos tenham ajudado, mas há quem se esteja a dar melhor na universidade, por isso não é por aí lool. Mas às vezes dá-me assim a sensação que se calhar olha facilitaram-me a vida, andei aqui a brincar e agora estou na universidade rodeada de alunos dos melhores colegios privados e antes de os ouvir falar já tenho a sensação que sabem muito mais que eu. Claro que estou a brincar, mas se formos assim aos pensamentos e sentimentos mais primários que tenho quando estou na universidade até nem estou a brincar muito. E foi isto que conversei com a minha mãe noite dentro.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 04:29
link do post | dar palpite | ver comentários (3) | favorito

Ando com pouca vontade de vir cá escrever. Não tenho ido ver os blogs das outras pessoas, enfim as vezes até nem me apetece ligar o computador só o facto de o abrir dá-me logo aborrecimento lool. Ainda não fui à psicologa, tenho ido para a praia no fim de semana e o dentista também tenho que marcar. Não me ando a sentir bem comigo, parece que toda a minha roupa agora me parece feia e não me fica bem parece que quando olho ao espelho vejo que afinal aquilo não me ficava nada bem, a minha mãe já se irritou comigo e a brincar nem me deixou olhar para o espelho antes de sair. Tenho estado com os habituais humores ou mais bem disposta ou mais rabugenta. às vezes sinto que estou a ser rabugenta de mais mas sinto que tenho razão, acalmo-me mas realmente vejo as coisas assim então fico zangada, ou porque pegaram no meu carro ou por outra coisa qualquer sei lá. Às vezes ponho-me a pensar no inicio da universidade e começo a stressar, imagine-se, que não tenho roupa de jeito que me faça sentir bem para não chegar lá e estar a sentir-me mal. Hoje também estive a pensar que as ferias ja vão avançadas e pensei que depois vinha o inverno e pensar no frio e assim deixa-me deprimida. Estou ansiosa pelas aulas, pelo horario, pelas aulas práticas, pela minha reacção. Eu sei que não tenho que stressar com isso e este tipo de raciocinio é parvo e ja estou a pensar nas coisas assim e ainda as condiciono por estar a pensar assim mas no ano passado estava bem disposta, estava com vontade de ir às aulas e sentia-me bem e cheguei lá e tive um ataque de pânico quando cheguei à sala. Eu sei que isso não me vai acontecer sempre só porque aconteceu no ano passado mas estou ansiosa com isso estou nervosa. Eu tento-me controlar às vezes sinto que me estou a controlar e a não fdar espaço a essas ideias, mas às vezes as coisas parecem tão claras que não consigo contraria-las ou ficar calma com elas. Hoje estive a ler as normas da escola e tive uma sensação de gostar de estar lá senti que realmente apesar de tudo, se isolar o facto de estar a fazer um curso como este e assim eu tenho uma motivação e pensar no dia em que tiver o curso feito parece longe mas tão bom. Bom e quanto à minha amiga que vinha passar férias a nossa cidade e me ia dizer qualquer coisa, não disse até agora. Eu sei que ela tá de férias e deve estar cá mas não me disse nada. Eu sei que podia dizer qualquer coisa, mas depois da desilusão dos meus anos sinto pouca vontade de estar com eles, é como se sentisse um bocado que não vale a pena, que não me apetece estar com aquelas pessoas. Axo que estar sempre a ser eu para dizer para sairmos, ser sempre eu a querer, não é o que me apetece e mesmo sabendo que eu me afastei, ninguém me procurou e isso é o tipo  de coisa que eu vejo nas amizades sólidas e no inicio do verão acreditei nisso, agora estou a pereber que se não estiverem comigo estão com outras pessoas que, por sinal, tratam melhor. Já me doeu mais. Não gosto de parecer amargurada e sei que o pareço muitas vezes mas fiquei magoada com essas coisas, tento-me lembrar da minha culpa e tudo mas fico magoada com eles. Talvez ainda venha a acreditar que afinal tenho um grupo de amigos que honram a palavra mas dá-me a impressão que dessas vezes é que estou iludida. Seja como for estou numa de me acalmar, não stressar porque não saí ou não fiz isto e marcar umas coisas divertidas com os meus pais e o meu irmão. Vou tentar não stressar muito e aproveitar as coisas.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 01:52
link do post | dar palpite | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 12 de Agosto de 2010

Hoje vi o resultado dos exames que fiz, fiz contagem de leucocitos, basofilos e afins por causa daquela coisa das alergias, creatinina, sedimentação do sangue, colesterol total, HDL enfim várias coisas. Vi na net agora dá pra ver de casa os resultados. Está tudo bem todos os valores estão dentro do normal, o colesterol HDL (colesterol bom) é que está no limite e apesar do colesterol total estar bom axo que vou comer mais legumes que é sempre bom ter o HDL alto. Fiquei vcontente por ter tudo normal, andava um bocadinho com medo porque as alergias que me deram naqueles dias, o torcicolo há varios meses, os problemas nas articulações e até o teste à tuberculina que fiz no ano passado e que deu uma mancha que indicava que ou estava contagiada com tuberculose e nesse caso não se estava a desenvolver mas podia manifestar mais tarde ou então tinha estado em contacto e tinha ficado imune. Ainda não tinha feito exames a confirmar mas parece que estou imune e enfim essas coisas estavam-me a preocupar um bocadinho. Mas vendo bem eu axo que a maioria das coisas que tenho sentido se relacionam com o stress com a ansiedade. So ultimamente é que tenho descoberto o conceito de ansiedade. Isto pode parecer estranho, mas eu axava que tinha stress e assim mas axava que não tinha ansiedade, não sabia que sentia isso. Mas sinto e muita da ansiedade já vivo com ela há tanto tempo que nem me apercebia. Os medos que sinto e aquilo que falei ontem da poc, são coisas que me têm deixado tão ansiosa e eu nem estava a ter noção. Começou por se manifestar penso eu no bruxismo, cerro os dentes qundo estou e dei cabo do maxilar, mas também se me poser a pensar, houve uma fase que tinha pesadelos, sonhei varias vezes com aviões a cairem-me em cima e eram preocupações, também tive dificuldade em dormir a certa altura, pensava tanto mesmo em coisas estupidas, coisas sem grande importancia mas oensava tanto que não conseguia adormecer cedo. O torcicolo também tem a ver com a contracção muscular causada pelo stress e ansiedade. Bom mas axo que ter noção disso me ajuda a controlar e a relaxar. Hoje senti-me mais confiante, os espelhos cá de casa são mais meiguinhos. Estive a pensar em fazer alguma coisa com os meus pais este fim de semana, pensei num piquenique mas a minha mãe não está com muita vontade, diz que para isso tinhamos melhor em casa e faziamos um churrasco, mas eu queria ir a um sitio bonito, ver pessoas, falei em irmos andar de mota de água mas a minha mãe fica logo preocupada. Estou um bocado sem ideias, se calhar vamos para a praia. No outro dia fomos à feira medieval e gostamos muito, procurei outras coisas, outros eventos bonitos mas não encontrei grande coisa se alguem souber de alguma coisa gira que me sugira. E bom, é isto que conto por hoje.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 01:38
link do post | dar palpite | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 10 de Agosto de 2010

Hoje vou fazer dois posts desinteressantes. Neste vou falar da reportagem que disse que vi no outro post anterior. Fiz isto num post diferente porque basicamente eu mostro os meus posts à minha psicologa e não me apetece falar disto com ela, penso nisso mas ainda não falei com ela. Vi uma reportagem sobre a POC, patologia obcessiva compulsiva. Axo que já escrevi sobre isso aqui mas não gosto muito de ir ler posts anteriores então talvez vá desabafar coisas que já desabafei antes (como se os meus posts não fossem habitualmente iguais). Eu tenho um problema com isso. Tenho rituais. Ridiculos e tenho vergonha. Não sei exactamente quando comecei a te-los talvez já tenha visto alguma coisa na infancia mas na adolescencia é que comecei a ter comportamentos mais acentuados. Lembro-me de ter visto aquele jogador do benfica a cair no estadio e isso marcou-me e nessa altura tinha medo de fazer exercicio fisico e assim porque tinha medo de forçar o coração. Talvez tenha sido nessa fase, depois da anorexia (que por si já era um comportamento obcessivo) que comecei a engordar porque ao mesmo tempo que comecei a fazer uma alimentação normal comecei a ter medo de fazer exercicio e digo que algumas aulas de aducação física foram um problema para mim, axo que só controlei alguns ataques de pânico porque não queria que ninguém soubesse que tinha medo de sentir o coração bater mais depressa e ficava muito preocupada. Depois comecei a ter medo de ouvir noticias semelhantes, levantava-me e ia à casa de banho para ninguém perceber mas axo que perceberam que eu preferia tapar os ouvidos do que ouvir aquilo e até saber sintomas de doenças dese genero. Depois comecei a ter medo da morte. chamei a minha mãe algumas noites para dormir comigo e dizia que tinha tido um pesadelo mas era medo que eu tinha, medo de pensar aquilo. Depois comecei a ter medo não por mim mas pelas pessoas que amo. Era complicado e ainda é mas agora já não é aquele panico que tinha à noite, quando estava sozinha. Comecei a dormir com a luz acesa e depois com a televisão. Os comportamentos obcessivo compulsivos exactamente não sei quando começaram axo que no inicio eram coisas simples, tipo superstição mas agora a coisa está um bocado diferente. Entrar no quarto envolve um ritual, ir à casa de banho, ligar as lizes, ligar a televisão, mudar de canal, escrever, ler enfim. Há alturas que estou irritada, tão irritada porque tenho que fazer aquilo e nunca mais parece estar bem e já houve alturas que amarrei no cabelo com a força que tinha com os nervos. Hoje ao ver a reportagem o meu pai riu de algumas coisas que algumas pessoas faziam e realmente aquilo é comico, eu conscientemente posso saber disso ao mesmo tempo que o faço mas como é que uma pessoa pode compreender aquilo. Na reportagem falavam das pessoas serem inteligentes, bem sucedidas e com boas notas e organizadas. Eu não sou nada disso as minhas notas são o que se sabe agora e não sou organizada. Aliás uma das coisas que me denuncia mais tem a ver com uma desorganização que envolve tapetes desarrumados e eu sei como isto soa, acreditem que sei. Já pensei se a minha mãe não desconfia. Tenho vergonha que as pessoas descubram, tenho vergonha do que faço. Faço-o para proteger as pessoas como se fosse uma superstição. Vi na televisão eles a mostrarem como faziam e assustei-me porque eram os gestos que eu fazia, quem via deve ter achado esquisito deve ter achado que eles tavam a representar para a camara os gestos que faziam mais ou menos mas era mesmo assim eu fazia aquilo e ver foi esquisito deixou-me envergonhada e com um sentimento esquisito. Quando descobri que isto era um problema e que afectava algumas pessoas foi numa série policial em que de repente vejo a descrição de coisas que eu sentia. Não me informei muito sobre o assunto mas acabei por ficar mais atenta se calhar quando o tema se falava na televisão. Quando as pessoas estão a ver eu sou discreta e até não faço muitas coisas e por isso é que estar no meu apartamento na faculdade faz com que eu tenha problemas em ficar lá. Já falei muitas vezes que estar lá sozinha me punha triste e tal, mas também há o facto de poder fazer essas coisas porque não está ninguém a ver e como não estou com as pessoas que amo fico nervosa e faço de tudo para protege-las com essas coisas. Cheguei a tomar banho menos vezes porque estar sozinha na casa de banho e despir-me e arrumar a roupa e abrir a água e fechar a água e tudo isso me fazia entrar num estado que evitava. É humilhante isso e axo que dá para perceber porque não disse a ninguém. Na reportagem falaram de isto ser uma doença mental. Uma doença mental, caramba. Não sei dizer a sensação que isso me dá. Não me sinto com uma doença mental, no sentido que as pessoas dão à coisa. Tenho medo dessas coisas, tenho medo de estar maluquinha. Eu axo que posso resolver isto sozinha (estou sempre a ouvir isto na televisão, e normalmente são pessoas que precisam de ajuda) às vezes estou melhor, mais bem disposta e penso que não vou fazer aquilo e tal e até me sinto bem, mas para além do habito eu tenho variações de humor e quando estou mais stressada tenho medo e volto a fazer as coisas ou outras enfim. Já me cheguei a magoar, não a cortar os pulsos ou nada disso como se possa pensar, mas a magoar-me. Cansa. Eu sei que é um problema, sei que tem que ser resolvido mas parece que como só me afecta a mim e muitas vezes até parece que nem me está a projudicar ou mesmo a custar, não vale a pena aparentemente estar a dizer a alguém. E falava no outro post que estive a pensar que se ás vezes não tenho medo de contar estas coisas e de ser ajudada e deixar de ter no fundinho aquela coisa que me diz, não consegues, estavas cansada, não estudas-te, não tens mais autoestima ou és envergonhada porque estas stressada com aquilo. E depois que justificação arranjaria, não consegui porque não sou boa, não estudei porque sou preguiçosa. As pessoas provavelmente não conseguem perceber isto, eu também não percebo e compreendo que cause riso, é ridiculo de facto estar como aquele rapaz a alinhar uma hora as rodas de um caixote do lixo. Ainda não me deu para isso mas andar de um lado para o outro no meu apartamento quando estou atrasada para ir para as aulas isso já fiz. Aliás, houve alturas muito stressantes em que, por estar atrasada para ir para as aulas e assim ainda tinha que fazer mais coisas, é como se me estivesse a penalisar, e apesar de ser assim e de não ser muito pontual, cheguei muitas vezes atrasada por causa disso e em testes nem vale a pena falar, com o stress de chegar a horas a coisa fica um bocadinho dificil. Quando escrevo no blog por exemplo, não chego aqui e escrevo e pronto, não me apetece dizer o que faço, axo que tenho vergonha, mas quando às vezes o texto esta todo mal escrito, com pontuação esquisita e erros ortograficos não é porque eu não sei escrever porque eu até dou muito valor à lingua portuguesa e a escrever bem. Talvez tenha que dizer isto à minha psicologa. E se ela me diz que tenho que ir a um psiquiatra e se ela me diz que tenho que fazer um tratamento e se me diz que tenho que fazer como aquelas pessoas e fazer um genero de reabilitação. Eu não quero nada disso, e so o facto de ter que ir lá e ela me começar a perguntar o que faço, eu ia ter muita vergonha, mesmo sendo ela uma profissional, é uma pessoa e eu própria fico ademirada com o que outras pessoas contam que fazem. Tive anorexia e fiquei melhor sem ajuda de um médico, talvez consiga ficar bem agora. É por isso que eu me eduquei a não julgar as pessoas, tento mesmo não faze-lo porque eu sei que as vezes as coisas parecem faceis e parecem ridiculas mas cada um sabe as suas razões e sabe o que lhe custa algumas coisas, não se deve julgar as pessoas e deve-se tentar ver o lado de toda a gente. Eu estou a contar isto num blog, ninguém sabe quem eu sou, imaginem se eu contasse isto a amigos ou à minha familia, claro que a minha familia me ia apoiar e eu confio muito neles mas como é que eles iam entender que eu tenho que desligar a luz de uma certa maneira e essas coisas que eu faço. E falando agora de um aspecto que me lembrei é que isto afecta-me também neste aspecto, aqui em casa eu sou desleixada e preguiçosa. Eles dizem isto porque as vezes me pedem para fazer qualquer coisa e eu não quero fazer porque tenho que fazer tanta coisa para concretizar o que eles me pediram que fico nervosa. Podem pedir-me por exemplo para por a mesa e eu penso que vou ter que abrir o armário e pegar na toalha e desdobra-la, po-la na mesa esticadinha e centrada, pegar nos pratos se calhar com a mesma mão, por os pratos na mesa e se calhar por o que está por baixo para mim e ir buscar os talheres e se tiver que ir buscar um à gaveta porque não havia mais na maquina esse fica para mim, enfim, acho que nem eu as vezes sei bem as coisas que faço e são tantas. Então, eu penso nessas coisas que vou fazer e para não ter esse trabalho todo que me causa stress e até para não fazer nenhum erro, prefiro não fazer e acreditem que já me senti muito irritada por me chamarem preguiçosa e desleixada, eu a stressar com aquilo e a sofrer com aquilo e chamavam-me preguiçosa e desleixada e eu nem podia dizer nada porque eles tinham mesmo que axar e pensar isso. Agora já vou educando algumas coisas, axo que houve um dia que pensei, eu não sou assim eu sei porque estou a fazer isso por isso calma porque eu não sou assim tão mazinha e incompetente e axo que aí fiquei mais calma em relação a certas coisas. É impressionante as coisas que a nossa cabecinha faz, somos tão complexos, eu tenho isto e estou a tomar consciencia disso e ponho-me pensar que há outras pessoas com o mesmo problema que eu e com outros como a cleptomania estou agora a lembrar-me. Provavelmente também é uma POC, afinal eu percebo-os e nunca pensei nisso. Isso deixa-me confusa, acho que é porque afinal eu também era capaz disso, deu-me para outro lado podia-me ter dado para isso, toda a gente é capaz de sentir o mesmo e por mais que quem não tem esse problema diga que toda a gente é capaz devem ser poucos os que realmente têm noção que eram realmente capazes, como eu agora de repente percebi a semelhança do meu problema com os cleptomaniacos. Isto assusta-me mas fascina-me. Amanhã se calhar vou pensar porque é que escrevi isto e que não devia ter postado estas coisas mas se calhar esta reflexão fez-me bem e vou publica-la apesar de axar que não me vai apetecer tocar muito mais no assunto. Provavelmente não vai haver quem leia este post e compreenda, mas se alguns lerem mesmo assim o texto até ao fim (e desde já parabens lool) espero que tenham noção de como somos hipócritas e julgamos toda a gente mesmo sem notar e depois vamos a ver e somos como eles.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 00:46
link do post | dar palpite | ver comentários (7) | favorito

Segunda-feira, 9 de Agosto de 2010

Estou triste. Uau que novidade! Não tenho ido à psicologa porque adoeci e tenho tentado fazer coisas com os meus pais ao fim de semana então ainda não marquei mas axo que estou a precisar. Ando instavel, tanto estou bem como mal. Teno que ir comprar  o ansiolitico que o médico me receitou talvez me acalme um bocado. Hoje fui comprar uns sapatos porque recebi um dinheirinho nos meus anos e resolvi comprar umas sandálias melhorzinhas que gostasse mesmo mas não encontrei, as que gostei eram grandes e comecei a ficar irritada por de cada vez que encontrava umas só haver o quarenta e assim. Precisava também de um vestido que não fosse muito formal e que fosse "decente" para levar para a universidade por exemplo porque os meus são curtos de mais para levar para lá. E quando vou às compras pronto, lá volta esta tristeza. Os espelhos das lojas põem-me deprimida a roupa parece que não assenta bem, não ha nada que goste, começo a não gostar da roupa que levo, começo a ver coisas que não tavam lá quando me vi no espelho de casa, começo a axar que toda a gente tá bem quer sejam mais gordas ou mais magras e eu estou ali, sinto-me diferente não sei explicar, sinto que não sou igual às outras pessoas, que sou esquisita sei lá. Eu sinto os olhares das pessoas, no bom sentido até, axo que de alguma forma "dou nas vistas" por algum motivo (isto escrito soa a uma coisa maior do que é, simplesmente sinto que há qualquer coisa em mim que chama a atenção, talvez o cabelo comprido sei lá, não sei) mas ao mesmo tempo sinto-me diferente, sinto que o meu corpo não é proporcional, que a minha cara está marcada pelo acne que tive e de vez enquando inda me ataca enfim eu consigo imaginar todos os meus defeitos à mostra. Eu desde a adolescência que tenho um certo complexo com o meu corpo e que não estou satisfeita com alguma coisa que tenha a mais ou a menos (geralmente a mais). Mesmo em criança, brincavam comigo por causa das minhas sardas e eu não gostava nada e mesmo quando me elogiavam os olhos que na altura eram acinzentados eu não percebia, punha-me a olhar ao espelho e não percebia porque as pessoas reparavam nos meus olhos, não tinha noção. Lembro-me muito mais facilmente de não ter noção do meu corpo e de não me sentir bem com ele do que de alguma altura em que tenha tido noção do meu corpo e gostase do meu corpo. Já falei aqui que tive problemas com a comida. Ainda hoje tento fazer dietas, agora menos radicais, mas ando sempre a fazer cuidado, aliás, salto do alturas em que ando a fazer cuidado para alturas em que não faço cuidado nenhum. Mas apesar de saber o que é um disturbio alimentar, apesar de saber os problemas que traz, enfim, mesmo estando consciente do que isso é, tenho que ser sincera, só não faço aquilo que fazia quando tive esse problema, porque não consigo. Hoje estive a ver uma reportagem e estive a pensar sobre uma coisa. Eu sei que tenho problemas psicológicos, tenho medos e tenho ansiedades e tudo isso mais do que uma pessoa normal tem. Mas estive a pensar até que ponto eu não tenho medo de deixar de ter isso e deixar de ter como justificar os meus falhanços. Claro que eu tenho andado a percorrer um caminho aos poucos para resolver a minha cabeça quanto a isso e eu sei de tudo o que pode condicionar os meus falhanços, conscientemente sei dos erros que cometo e até de defeitos que tenho mas axo que no fundo tenho um certo medo de não ser esses problemas psicologicos a justificar isso e de descobrir falhas na minha personalidade, de ter a prova de defeitos que tenho mas que vou tentando não pensar muito. É um outro lado das coisas mas axo que nunca tinha pensado verdadeiramente nele ainda. Não sei o que muda com a minha consciencia disto. Bom, de resto tenho tido o telemovel desligado esta semana, não sei bem porque mas não me apetecia que me ligassem ou mandassem mensagem, uma amiga minha tá de ferias e deve vir a nossa cidade e tinhamos dito que iamos sair e até tenho vontade mas tenho um certo nervosismo quanto a isso, medo de ter que passar por situações em que fique nervosa e assim. Amanhã vou liga-lo. Aqui em casa também andam meios chateados acho eu, nota-se que as pessoas estão mais irritaveis, não sei se é por andarmos meio adoentados se é por causa do calor, mas axo que estamos um bocado birrentos. Vou ver se faço alguma coisa de positivo amanhã, não sei o quê. Agora lembrei-me de outra coisa que tenho pensado, tenho tido vontade de quando começarem as aulas de ficar mais vezes por lá, no meu apartamento, de fazer o meu jantar, ler um livro, ser um bocadinho independente, como uma menina crescida lool enfim, acho que quando começarem as aulas vou comprar uns livrinhos, sem justificar porque comprei aquele livro, isto porque ando com vontade de ler romances e se a minha mãe me vê a ler romances põe-se a pensar coisas, por ter acabado com o T. há relativamente pouco tempo e assim e não estou com vontade de dar oportunidade a essas conclusões. Não é nada de especial mas pronto não me apetece isso.  Então estou com uma certa vontade de passar assim uns dias de vez em quando a fingir que sou uma adulta responsável. E basicamente é isto, estou triste, ando pensativa, não me sinto muito bem comigo e estou de dieta.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 23:53
link do post | dar palpite | ver comentários (1) | favorito

ora-deixa-ver-quem-é-esta-croma
Agosto 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
13
14

15
16
17
19
20
21

22
24
25
27
28

31


últ. comentários
mais do que isso tou com preguiça de ler o que esc...
olá, como vais? este blog é bom se tiver pernas pa...
olá menina, como é que tu estás? saudades tuas.. v...
olá menina. então, como é que tu vais ? eu vou bem...
olá. já tinha muitas saudades tuas. como estás ? p...
olá! eu também ia cheia de esperanças, quando come...
ola responi tardeas respndi. Sim eu tenho POC e e...
Olá...andava a fazer uma pesquisa sobre poc e enco...
olá! saudades tuas. ainda bem que estás bem. vê se...
tive uma grande necessidade de apagar todos os blo...
favoritos

2009.

pesquisar
 
Fazer olhinhos
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro