saga de uma tímida/insegura/atrapalhada/parva cujo dom é sonhar

Quarta-feira, 29 de Setembro de 2010

"A timidez não é uma doença com sansão OMS e DSM.IV. Mas creio que devia constar nesses sisudos catálogos. E rapidamente. Mesmo quem, como eu, possui uma vasta colecção de enfermidades materiais e mentais, sabe que há pouquissimas coisas que me perturbem tanto como a timidez. Pouquissimas características me marcaram de modo tão decisivo e me arrastaram tão arrastado pelas ruas da amargura. E isso é dizer muito.

Desde que me lembro de mim que a timidez é o meu obstaculo numero um. Um entrave que atravanca o mundo. Uma vez, na escola primária, uma professora mandou-me pedir não sei o quê a um continuo. Não me recordo dessa incumbência, mas tenho a certeza que não cumpri. Fui saindo a medo, vagueei pelos corredores, fiquei santado nas escadas, talvez até me tenha escondido atrás de uma porta. Demorei uma eternidade, enrodilhado na minha incapacidade de ir ter com o continuo e de lhe dar um simples recado. Longuíssimos minutos depois, regressei à sala e disse obviamente, que não encontrava o continuo em lado nenhum.

Ora isto é uma doença, tão doença como uma gastrite. Ou, se quiserem, uma condição permanente, como sofrer de sinusite. neste episódio eu era uma criança, mas em todas as épocas me lembro de casos assim. Se pudesse, evitava entrar em contacto com uma pessoa desconhecida ou pouco conhecida. Subi e desci avenidas erradas (mesmo em território estrangeiro) apenas para não ter que pedir uma indicação. Comprei o que não queria em supermercados porque não perguntei onde estava o que procurava. Deixei de almoçar vezes sem conta só para não encetar um temível dialogo com a empregada. Sempre que me põem à frente um ignoto concidadão, eu embatuco.. Não comunico, olho para os ladrilhos, perco o pio, faço astuciosos Ulisses o possivel para não termos de entrar em concílio.

Um dos problemas maiores da timidez é que por vezes parece aos outros um defeito de carácter. O tímido é um menino da mamã (tese proustiana). ou então um arrogante, que detesta toda a gente e se enclausura na sua carapaça. Ora, creio que em geral o tímido sofre com a sua timidez, e tem vontade de contacto como toda a gente. reparem: eu sou, e gosto de ser, uma pessoa discreta e reservada. Não cultivo a menor ambição de acordar no proximo sabado festivo como um jamaicano. Estou muito satisfeito com a circunspecção, e introspecção e outras colicas do espirito. mas não desgostava de cumprimentar as pessoas sempre que entro nalguma sala (em vez de observar a carpete gasta). como não me desprazia uma cavaqueira com um colega de viagem ou com alguém que ficasse sentado ao meu lado num repasto (em vez de me refugiar nos classificados da Arrentela ou no cardápio de peixes grelhados). Eu sou aquele típico pateta que numa festa esgancha contra uma coluna, de copo alto meio vazio, olhando para toda a gente como se fossem fantasmas translucidos. E é melhor nem entrar no capítulo «sexo oposto» (mais conhecido como «o oposto de sexo»). Dos quinze anos aos trinta e dois, a minha timidez é quem mais ordena. E ordena sempre que me mantenha quieto e calado. Que não manifeste interesse ou intenção. Nem que a moça se pareça com a Cameton Diaz, tenha sido deixada pelo namorado ha dez minutos e use um cartaz fosforescente em que pede conforto masculino.

Por essas e por outras é que acho que a timidez é uma doença. Por causa da timidez não fazemos imensas coisas. E nós morremos de remorsos pelo que fizemos mas sobretudo com remorsos por tudo o que deixamos passar. É um comboio que se põe em andamento e acaba com o momento propício (procurem o poema de Thomas Hardy Faintheart in a Railway Train). A timidez acaba connosco. Com uma enganadora gentileza. Os ingleses costumam dizer que uma pessoa é «dolorosamente tímida» (painfully shy). E dizem bem, porque se trata de um sofrimento oculto mas realissimo. Um tímido fica preso a si mesmo, não se mexe, é um invisivel que se vê. E que sofre por querer o contrário do que motra (que é nada).

Era por isso altura de OMS e DSM-IV declararem a timidez uma doença. Em vez de «ansiedade social» ou outros eufemismos, digam simplesmente «timidez». Para que alguém nos acuda. Pela minha parte, não peço mordomias. Basta uma comparticipação nas pastilhas."

Pedro mexia

E eu não poderia dizer melhor, é exactamente o que se passa com um timido como eu e, aparentemente o autor do texto.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 17:43
link do post | dar palpite | ver comentários (1) | favorito

Hoje faltei às aulas de tarde. Baldei-me. Já era para me baldar à primeira aula da manhã e fui na mesma por isso não é mau. Hoje estava sem a minima vontade de ouvir professores a falar de coisas que não me interessam quando tenho a cabeç tão xeia de coisas. Fico um bocado com remorços porque axo que assim não estou a conseguir acompanhar a matéria. Mas faltam-me as forças para ir. Não quero estar a ser preguiçosa mas as vezes sinto-me tão triste que me parece sem sentido nenhum estar numa aula. Amanhã era para ir ter com a C. depois das aulas mas ela não vai poder. Não sei se é desculpa ou não mas ela primeiro disse que sim portanto não vale a pena tar a pensar que era desculpa. Também não estava cheia de vontade simplesmente axei que ia ser bom, me ia fazer bem. estive no facebook e falei com a C. e com uma prima minha, distrai-me um bocado. Mas agora estou outra vez a olhar para o pc, não sei se me apetece ouvir musica ou não, não sei o que me apetece. Hoje comprei tabaco, não sei se acalma grande coisa ou não, sinceramente das vezes que fumei não senti lá grande calma, mas em todo caso apeteceu-me. Ao meio dia também não estava com grande fome, foi aí que comecei a pensar e comecei a ficar triste. Na escola fizemos um trabalho e o meu griupo até é porreiro apesar de ter uma rapariga do meu ano que eu não gosto. Mas nem nos falamos quase. Falei com o resto do grupo, ouvi mais do que falei mas foi divertido ainda me ri um bocado. O rapaz do grupo é o que está comigo noutra aula e ele definitivamente parece um puto é engraçado. E parece-me que há ali um certo clima com uma das raparigas do grupo, ou já se conhecem bem, e eu axo que não se conhecem ha muito, ou então há ali uma simpatia muito grande. Ela parece meio envergonhada, pelo menos é assim calminha mas não tão acanhada como eu, claro. Até que tive sorte com os grupos, uns mais que outros mas pronto. Agora vou ter uma aula dificil na sexta e tou com medo. Uma das raparigas do meu grupo é uma que estava comigo no ano passado, gosto dela por acaso mas estou com bastante medo porque é dificil e tem calculos e eu tenho medo de não perceber patavina daquilo. Mas também não tou com vontade de ir estudar isso agora. Enfim, cá estou eu triste, sem grande sentido no que ando a fazer, sem grande motivação, sem grande amor próprio, sem sentir grande carinho por parte das pessoas. Enfim sou mesmo eu. Por aí, continuem bem.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 15:35
link do post | dar palpite | ver comentários (3) | favorito

ora-deixa-ver-quem-é-esta-croma
Setembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13
14
16

24

26


últ. comentários
mais do que isso tou com preguiça de ler o que esc...
olá, como vais? este blog é bom se tiver pernas pa...
olá menina, como é que tu estás? saudades tuas.. v...
olá menina. então, como é que tu vais ? eu vou bem...
olá. já tinha muitas saudades tuas. como estás ? p...
olá! eu também ia cheia de esperanças, quando come...
ola responi tardeas respndi. Sim eu tenho POC e e...
Olá...andava a fazer uma pesquisa sobre poc e enco...
olá! saudades tuas. ainda bem que estás bem. vê se...
tive uma grande necessidade de apagar todos os blo...
Relógio
relojes web gratis
favoritos

2009.

pesquisar
 
Fazer olhinhos
subscrever feeds

blogs SAPO


Universidade de Aveiro