saga de uma tímida/insegura/atrapalhada/parva cujo dom é sonhar

Domingo, 1 de Janeiro de 2012

Este é provavelmente o pior blog de todos lool. Começando pela minhaassiduidade.... ou falta dela. A verdade é que às vezes apetece-me escrever mas este blog representa no fundo uma altura ou uma parte da minha vida que não gosto muito de rever. Escrevi coisas que não me apetece recordar e sobretudo coisas que, escritas, não soam nada ao que eu senti. Mas enfim disso também estou eu ja farta de escrever. De diferente não tenho nada de especial para dizer, apenas tenho feito a minha vida normal, estudo, universidade, ansiedades, preocupações, algumas saidas por entre os testes, ginásio tanto quanto possivel e alegrias também. Mas na verdade o que me traz aqui hoje é outra ansiedade, é claro. O ano começou, vesti-me a preceito, a familia juntou-se como sempre, fomos até à praia.... mas de manhã não estava tão animada como esperava. O dia estava feio, cinzento, e já nem me lembro porqê mas o assunto universidade voltou a ocupar a minha cabeça. Não posso dizer que esteja a correr mal, não tanto como ja correu pelo menos. Consigo gerir melhor as minhas ansiedades mas.... 6 anos a insistir numa coisa tão incerta, numa coisa que supostamente depende só de mim mas que parece tão fora do meu controlo. E é esse o problema, quando as coisas não me parecem controláveis.... fico insegura. E eu insegura, apesar de ser uma coisa familiar, não é uma coisa a que eu me vá habituando com o tempo.... nem quero. Enfim, só não quero começar a ouvir bocas de alguém que esteja a contar o tempo que estou a estudar, sobretudo de pessoas que não fazem a minima ideia do que já aguentei no percurso. E por mais que ninguém perceba, e provavelmente ninguém percebe, ja sofri um bocado com isto. A universidade é mesmo uma selva sobretudo para determinados tipos de personalidade. De resto desejo a quem acidentalmente por aqui passar lool um bom 2012!

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 20:56
link do post | dar palpite | ver comentários (2) | favorito

Quinta-feira, 23 de Setembro de 2010

Amanhã combinei sair com a C., ela faz anos mas não sabe bem se eu me lembrei. Hoje mandei-lhe uma mensagem a perguntar se nos encontravamos no sitio da outra vez e assim e ela não me respondeu. pensei que talvez me tivesse respondido no facebook mas não respondeu no facebook. Se ela amanhã não me disser nada ou inventar uma desculpa vou ficar muito chateada. Eu axo que ela deve responder, mas estou com um certo receio. Não vou pensar muito nisso mas enfim, vamos ver, eu hoje comprei-lhe um livro e fiz uma dedicatória, é uma lembrança só para ela se lembrar que eu me lembrei dela, sendo que ela se lembrou de mim tarde e a más horas e porque alguém fez anos a seguir a mim, mas já nem me doi tanto, espero é que ela me responda. Hoje o dia foi mais leve, não tive tantas aulas. Mas passei por pessoas do meu ano, muitas pessoas do meu ano. Nem sabia o que fazer, eu vejo-as olhar para mim e apetece-me não continuar a andar em direcção a eles mas enfim, ainda dava pior aspecto, então lá passo por eles, cumprimento vagamente alguns que conheci no inicio do curso e continuo com a minha vidinha a pensar para não me travar, não cair, não torcer um pé nem ser atropelada em frente aquela gente toda lool. Podia ser coisa minha mas sinceramente não sinto o mesmo com a maioria das pessoas de outros anos, os dois anos a seguir ao meu são muito mais simpaticos, com gente muito mais normal, os do meu ano são pessoas que olhamos para elas e parecem saidas de uma revista cor de rosa ou de um episódio dos morangos com açucar, eles parecem aqueles filhos de papá com aspecto muito limpinho à primeira vista mas que depois têm as conversas mais porcas entre eles. E pode parecer que estou a falar de beleza e de dinheiro mas não é nada disso, há gente bonita e menos bonita em todos os anos e gente rica em toda a universidade, não tenho qualquer problema com isso, mas as atitudes são diferentes e parece que se juntaram todos no meu ano. Bom, mas tenho que aprender que não sou inferior a nenhum deles mesmo que me apeteça mudar discretamente de passeio quando os vejo. Continuando a contar o meu dia, fiz uma arrumação geral à casa, estava cheia de pó. Agora já está tudo mais limpinho, já tenho a roupa pronta para amanhã lool de manhã demoro muito a fazer as coisas e mesmo preparando tudo axo que encontro sempre qualquer coisa para fazer ou então ando mais de vagar e acabo por me atrasar na mesma. Por falar nisso as pessoas falam às vezes que fazem um esforço enorme para não se atrasarem, que é uma falta de respeito e assim. Eu compreendo isso e sei que provavelmente é um bocadinho mau fazer alguém esperar. Mas eu axo que é assim se estivermos a falar de vonte minutos ou meia hora vá, isso é muito. Eu chego atrasada aos sitios  muitas vezes mas no maximo vá um quarto de hora e a sério que tenho respeito pelas pessoas. E se me fizerem esperar esse tempo também não desespero nem axo que estão a faltar-me ao respeito, a sério que não percebo bem aquela coisa toda de algumas pessoas com os horarios, não consigo sentir o mesmo. E ser assim sempre muito pontual, estar no sitio no exacto minuto de todas as vezes, irrita-me, irrita-me tanto como ter o paninho na mesa bem no centro, as toalhinhas organizadas, os pratinhos direitinhos, as coisinhas na mesa direitinhas. Essa organização toda chateia-me e irrita-me. Não é natural as coisas estarem assim tão organizadas, as pessoas mexem nas coisas por isso o natural é elas estarem não todas desarrumadas mas ligeiramente fora do sitio, percebem lool. Bom, é isso que tenho para dizer, mais um dia cansativo, no fim de semana tenho várias coisas para fazer como pintar o cabelo e corta-lo (está com manchas por causa das madeixas que andei a fazer), lavar o carro (ou mandar lava-lo não é verdade), tirar fotocopias das aulas para ter os apontamentos direitos, fazer compras para a semana, era para convidar o P. para irmos ao cinema mas não sei se vai dar, também queria ver os horarios do ginásio. Bom espero que tenham um resto de semana bom.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 23:29
link do post | dar palpite | favorito

Sábado, 11 de Setembro de 2010

Hoje estou em baixo, estou mesmo deprimida. Estou naqueles dias que parece tudo mal, parece que a minha vida não está a fazer sentido. Depois de ontem ter ido à universidade já não fiquei muito bem disposta, mas hoje inda fiquei pior. Fui pagar as propinas por aqui porque apesar de ter colocado no titulo do e-mail que mandei à secretaria que era urgente, fizeram de conta que não era nada e não me responderam apesar de estarem umas horas com a secretaria fechada para precisamente responder aos e-mails. Como hoje era o ultimo dia para pagar as propinas, eu fui pagar a propina deste mês e agora vou paga-las todos os mêses. Vou ver se ponho isso no telemóvel. Depois queria ir lanchar ou qualquer coisa e pedi à minha mãe se não queria ir dar uma volta comigo depois de eu ir ao banco, mas ela disse que não lhe apetecia muito, e eu fiquei chateada, nem disse nada. Fui ao banco e fiz quinze quilômetros até à staples para comprar um caderno, uma caneta e um estojo que também é carteira. Estava cheio de gente, cheio de putos a repetir o nome das marcas MAPED e AMBAR por todos os corredores. Se eu podesse dava um par de estalos a cada um, com o humor que estava e com aquela brincadeira estúpida que me entrava pelos ouvidos em cada corredor que eu ia. Senti-me mal porque lá andava eu sozinha no meio de tanta gente. E fiquei triste porque às vezes sinto-me sozinha, porque cada um anda com os seus amigos ou nem estão por cá e eu ando aqui, tenho a minha mãe com quem gosto muito de sair mas ela nem sempre percebe bem porque é que eu quero tanto sair. Eu quero ver gente, quero estar com pessoas, ver coisas diferentes, distrair-me, e a minha mãe não se emporta de ficar em casa, como qualquer doméstica tem sempre o que fazer e enfim, às vezes fico triste porque ela diz-me que não me percebe porque tenho que querer sempre sair porque tenho que estar sempre a chatea-la. E é assim que me sinto, hoje estive a pensar e muitas vezes a minha mãe sai comigo muito para me fazer a vontade e eu as vezes penso que é querido ela sair para me fazer a vontade mas outros dias, como hoje, penso que caramba, se até a minha mãe faz o frete de sair comigo tou realmente muito sozinha. Eu não me emporto de estar às vezes sozinha, gosto de estar a pensar, a escrever, a desenhar, a cantar enfim. Mas isso é bom quando é um bocadinho a excepção, quando é o meu dia a dia começa a ser altamente frustrante. Andei mesmo triste hoje, porque é que a minha mãe não percebe que se eu a chateio é porque muitas vezes é a ela que tenho para me fazer companhia para me distrair. Isto fica um bocado mal, mas eu sou realmente muito dependente da minha mãe. Bom e amanhã estarei melhor.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 00:49
link do post | dar palpite | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 10 de Setembro de 2010

Ontem fui à universidade e provei um bocadinho do meu stress quando lá vou. Fui bem disposta, gosto de fazer a viagem, era para ir com o meu primo mas fui sozinha porque ele não pode ir. Quando xeguei lá comecei a ver muita gente, estava à espera que não houvesse quase ninguém. A minha vontade era nem sair do carro, dar meia volta e ir embora. Tive muita vontade de o fazer mas axo que nunca pus a hipótese de o fazer de facto porque era muito mau, ia ser como quando não entrei na sala. Fui lá e estava xeio de gente, deviam ser inscrições de novos alunos. Senti-me pequenina, entrei tantando mostrar-me indiferente mas não estava. Como estava muita gente e a secretaria ainda não estava aberta e ainda por cima não levava um documento que precisava mostrar acabei por aliar isso tudo à minha falta de paciência de estar ali à espera e claro aquele mau estar que se adivinhava por estar ali sozinha com aquela gente toda à minha volta, e vim embora mal entrei lá. Fico nervosa só de pensar como será quando eu chegar lá para ter aulas. Axo melhor nem pensar nisso. Quando entro lá parece que bloqueio. Só me lembro de algumas caras a olhar para mim, de sentir que tinha as calças a dobrarem-se por baixo dos pés, de axar que ia com uma roupa que se calhar dava de mais nas vistas, enfim, de resto parece que tudo fica tenso. Como hei-de ter vontade de ir para as aulas? Eu até vou ter varias aulas com a J. e isso é bom, espero aproveitar bem isso, mas chegar lá, encarar as pessoas é como aquele momento antes de saltar no bungee jumping, é preciso ter coragem para saltar mesmo que saibamos que temos o elástico a segurar. Eu tentei contrariar os pensamentos negativos antes de entrar e até axei que consegui controlar-me, até entrar lá e ficar nervosissima. Enfim, a ver vamos. Agora já começaram os primeiros problemas, é os horarios que têm sobreposições e não me apetece resolvê-las, é as propinas que queria paga-las todas de uma vez mas o prazo acabou ha dois dias e ninguém me responde aos e-mails enfim. Tou aqui no impasse, se vou ao Porto ainda ou se pago a propina mensal por aqui caso não possa pagar tudo de uma vez. Se não puder pagar tudo lá vou eu andar a esquecer-me da data de pagar as propinas. A C. vai estar de férias nas primeiras duas semanas de aulas, como ela está por lá a trabalhar devemos sair juntas, pode ser que me anime. Para já estou triste, lá no fundo. Não quero deixar muito isso vir ao de cima, mas vim da universidade carente. Comecei a ficar ofendida com coisas parvas mas também ninguém ficou a saber e depois passa-me. Vou ver se marco uma consulta para a semana com a minha psicologa, já não devo sair na sexta para ir de fim de semana e posso adivinhar que depois da primeira semana de aulas vou ter bastantes frustrações que não vou saber gerir. Não devia pensar assim eu sei, mas devem perceber que quer vá com o pé atrás quer vá muito alegre e contente as coisas acontecem mais ou menos da mesma maneira, já provei dos dois. Por isso não me parece que seja por aí. E é isso, de qualquer maneira a primeira semana é prá caloirada por isso pouco devo lá ir, vou combinar com a J. Espero que o começo das aulas não seja tão atribulado para quem vai também começar.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 13:21
link do post | dar palpite | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 6 de Setembro de 2010

Hoje fui fazer a radiografia que já tinha faltado duas vezes, fui lá com cara de taxo dizer para marcar outra vez e ela disse se não queria fazer naquela altura lool eu fiz e quando ela me perguntou porque o médico me tinha mandado fazer fiquei meio engasgada. Mas eu sei lá porque aquele médico me manda fazer as coisas, mandar-me fazer exames já é uma sorte. E como fico bloqueada quando não estou a contar com uma coisa, tive que fazer uma breve busca na minha memória ao que me tinha queixado ao médico lool. Acabei por dizer uma coisa meio estúpida mas enfim, ela que veja se tá tudo benzinho. Entretanto o meu pé está melhorzinho mas estou toda mordida não sei de quê mas calculo que de mosquitos ou melgas ou afins. Mas eu já axo que isto é manha para ter do que me queixar. Bom, hoje é um dia especial porque o meu irmão está oficialmente formado e habilitado para exercer porque saiu o resultado do exame final e ele passou com uma média razoavel mas com um dezoito a uma das matérias. Um orgulho lool já lembrou ao meu pai quando ele lhe disse que quando ele se formasse que lhe dava um carro novo. O meu pai engasgou-se um bocadito e disse que era quando ele começasse a trabalhar lool. Tá complicado começar a trabalhar porque é complicado arranjar emprego e porque na área dele ainda não se arranja assim grande coisa porque está tudo dominado por um ou outro escritório cá da zona mas enfim, ele está a trabalhar com o meu pai entretanto já que tem essa facilidade e vai continuar a investir na formação. Quando tirar o meu curso axo que vou ter mais facilidade em termos de emprego, mas é preciso fazerf o curso e eu estou tão atrasada que dá medo pensar nisso. Só de pensar que se tudo corresse imaculadamente bem tinha três anos de aulas pela frente ainda, fico com um nó no estômago. Às vezes penso se vale a pena, se é possivel. De qualquer maneira a minha hipotese agora é continuar, não vou perder quatro anos da minha vida na universidade porque não sei se vai correr bem, quando há coisas que me estão a atrapalhar e que se calhar me atrapalhariam em qualquer outro sitio. Enfim, a ver vamos, espero que este ano corra bem. Por falar nisso saiu o horário e enquanto o passava para o excel de maneira a ver direitinho as sobreposições e assim fiquei com um nó no estômago. Saber que vou enfrentar as pessoas, os professores, professores menos bem dispostos, professores que esperam que saiba coisas que não sei, sei lá. Tou a stressar um bocado com isso, estou com medo e sem vontade alguma de sentir aquele desconforto, aquele mau estar por ter que enfrentar essas coisas. Já dei por mim a pensar que era bom ir trabalhar para a empresa do meu pai, fazia companhia ao meu irmão, começavamos agora que a empresa mudou de lugar e está a estruturar tudo outra vez enfim. Era confortável. Hoje também estava a falar dum sonho que tenho com a minha mãe, de um negócio muito particular que fomos craindo nas nossas cabeças em conjunto e estava a pensar que bom que era fazer isso em vez de estar no curso e a aguentar aquilo. Era confortável. Mas será que na realidade, lá no fundo quero o que é confortavel. Bom, idealmente até era, mas as coisas complicadas também iam aparecer nesses negocios e eu ia-me atrapalhar com as mesmas coisas que surgissem, enfim. Eu tenho é que me resolver a mim. Mas por outro lado, será que as resolvia melhor se não enfrentasse algumas coisas que enfrento na universidade e que me põem a sentir pequenina. Enfim lool tantas suposições. Aliás como sou sempre.... xeia de suposições.

Amanhã o T faz anos, vou-lhe mandar uma mensagem, não sei o que dizer nem me apetece pensar nisso. O indispensavel, tal como ele fez. E é isto, mais um textinho de interesse duvidoso e de extensão alargada.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 22:42
link do post | dar palpite | ver comentários (4) | favorito

Quarta-feira, 18 de Agosto de 2010

No outro dia estava a falar com a minha mãe e ela pôs-se a pensar que se visse bem a minha personalidade em criança ainda se via agora lool. Rimo-nos um bocado mas a minha mãe estava mesmo a aperceber-se daquilo. Viu isto porque eu às vezes fico muito aborrecida como os adolescentes, não consigo estar parada e estou sempre a perguntar-lhe se vamos fazer alguma coisa e fico zangada quando não pode ou não lhe apetece fazer qualquer coisa e sinto-me mesmo aborrecida e chateada quando não tenho nada para fazer, são os chamados bichos carpinteiros. Ela diz que já na altura eu era assim, tinha que estar a fazer alguma coisa, se estivesse aborrecida tinha que fazer uma asneira, ou a enfiar qualquer coisa nas tomadas, ou a dar banho aos gatos na sanita. Eu disse que agora não fazia asneiras, a minha mãe tentou dizer que sim e eu perguntei-lhe qual foi a ultima asneira que eu fiz e lá a convenci que sou bem comportadinha. Mas a minha mãe disse-me que isso devia estar por aqui escondido. Também falou do facto de eu seduzir as pessoas, quando iamos buscar o meu irmão à escola havia lá um quiosque onde vendiam gomas e eu gostava de ir brincar em frente ao quiosque do senhor que dizia que quando fosse grande ia partir muitos corações e depois dava-me uma goma. Todos os dias! E eu gostava de ir brincar para ali, a minha mãe ralhava mas eu acabava por ir lá. Mas a questão é que eu juro que me lembro de fazer aquilo inocentemente. Essa parte de seduzir as pessoas também ha-de estar por aqui escondida, bem escondida. Depois falamos de varias coisas que nos lembramos e em que eu levava à letra o que me diziam, pois que se o senhor dizia que eu podia comer as amendoas da montra à vontade, eu comia-as todas, pois que se me diziam que aquela coisa saborosa no prato era só pra mim (na brincadeira), eu comia tudo, enfim, não queria dar exemplos so de comida mas não me lembro agora de mais nenhum lool fica a ideia de que eu era inocente a creditava no que as pessoas me diziam, não havia fretes. Mas isso é coisa de criança, e é tão bom. Basicamente lembro-me de ser tímida e dizem-me que era muito irrequieta e extremamente, acentue-se o extremamente curiosa. Se me dissessem para não fazer aquilo tinham que me explicar porque com detalhes porque se não eu ia ver o porque de aquilo não se fazer. Axo que hoje isso se reflete se calhar quando eu tento perceber a razão porque eu ou outra pessoa reagiu desta ou daquela maneira, ao estudar essas coisas nas pessoas, os comportamentos das pessoas, axo que faço muito isso. Talvez continue ligeiramente curiosa. Gostava de ser um bocadinho mais espevitada como na altura. Sera que na altura se podia fazer alguma coisa para que a timidez que sentia na altura não aumentasse para a maneira que é hoje. E será que ainda existe alguma coisa de quando aprendia as coisas só de ver ou ouvir, como quando aprendi os numeros muito antes das outras crianças, quando as educadoras mostravam as minhas "habilidades" umas às outras enquanto as outras crianças brincavam, quando peguei numa flauta e toquei uma musica só de ter visto o meu irmão a estudar, quando aprendi inglês sozinha ao traduzir as munhas musicas favoritas, quando não estudava para os testes porque bastava o que ouvia nas aulas e isso aconteceu muito tempo mas agora não tenho grande capacidade de estudo talvez porque já não tenho esse habito. Ou seja, claro que as nossas crianças são sempre mais inteligentes e fazem coisas mais giras, é essa a ideia que temos até de nós proprios quando eramos pequeninos mas eu até que era uma criança inteligente dentro da minha normalidade. Agora parace que saí de uma tuma de bons alunos no secundário e descobri que afinal eu andava ali escondidita e por engano me foram dando umas notas jeitosas ou então talvez os apontamentos das boas alunas nos tenham ajudado, mas há quem se esteja a dar melhor na universidade, por isso não é por aí lool. Mas às vezes dá-me assim a sensação que se calhar olha facilitaram-me a vida, andei aqui a brincar e agora estou na universidade rodeada de alunos dos melhores colegios privados e antes de os ouvir falar já tenho a sensação que sabem muito mais que eu. Claro que estou a brincar, mas se formos assim aos pensamentos e sentimentos mais primários que tenho quando estou na universidade até nem estou a brincar muito. E foi isto que conversei com a minha mãe noite dentro.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 04:29
link do post | dar palpite | ver comentários (3) | favorito

Segunda-feira, 19 de Julho de 2010

Tenho escrito pouco ultimamente mas para além do meu ultimo texto dar para os dias que não escrevi lool tenho estado ocupadaou chateada, estive doente com sintomas de velhice, vou fazer vinte e dois anos esta semana e os sintomas fazem-se sentir lool. Amanhã devia ir à universidade mas marquei dentista e já desmarquei tantas vezes que axo que vou ao dentista e depois vejo essas coisas da escola. Tenho andado chateada axo que é por não ter nada que fazer nos ultimos dias quando estive doente e mesmo o facto de estar adoentada mas não é o mesmo aborrecimento que sinto às vezes que pesa de tão aborrecido lool é só mesmo o facto de não me arranjar para sair e essas coisas que fazem falta mesmo que pareçam chatas quando andamos a faze-las. Hoje tive cá familia em casa e foi bom ter os meus meninos a chatearem-me a cabeça a tarde toda, são chatinhos falam para mim desde o momento em que chegam cá até irem embora mas são uns fofinhos. As vezes tenho duvidas se realmente tenho jeito para crianças como me dizem às vezes e como axo as vezes mas nestas alturas vejo que tenho um certo jeito para elas e enfim, afinal sempre tenho jeito para alguma coisa lool. Hoje recebi uma prenda antecipada, um bikini muito giro e uma pulseira feita pela minha afilhada. O meu irmão também recebeu uma prenda de uma amiga que ele ajudou a estudar para o exame final do curso deles. É estupido mas gostei de ver a ajuda dele recompensada. Eu  vi-o a estudar, ajudei-o a fazer uns trabalhos, encomendei-lhe alguns livros, tirei-lhe fotocopias encadernei-lhe livros enfim essas coisas e vi que ele se esfolou a estudar e sei que essa rapariga estava com alguns problemas e não pode estudar tanto e axo bonito que o meu irmão tenha saido de casa para ir ajuda-la a estudar e mesmo tendo estudado também possivelmente não estudou tanto quanto estudaria sozinho mas axo isso bonito. Axo que é uma coisa que está na nossa educação, cá em casa vejo muito isso não sei se sou sempre assim mas tento sê-lo. Enfim mas depois vi o presente que ela lhe deu e senti assim  aquele orgulhosinho. Tenho pensado no que falei na consulta de psicologia, quando disse as coisas que achava que não era mas gostava de ser e depois tentaria ver em certas atitudes minhas essas caracteristicas. Não sei porquê mas tenho tido dificuldade nisso, não exactamente a encontrar as minhas características nas minhas atitudes mas sim a pensar nisso, a reflectir sobre as minhas atitudes. Provavelmente isso não tem grande significvado e é simplesmente preguiça mas axo que estou numa fase nestes dias em que não tenho grande vontade de pensar nos meus dias, fazer essa reflexão, daí não escrever muito ultimamente (se bem que quando escrevo escrevo muito lool). Bom mas se calhar é uma boa altura para escrever aqui as características que rereri na altura que gostaria (não tenho o papel em que as escrevi à mão mas não andarão longe disto): forte, extraovertida, sincera (frontal), inteligente ( e talvez haviam mais mas não me estou a lembrar agora). Ou seja, gostava de ser mais forte no sentido de enfrentar as situações sem fazer um problema de coisas que não têm que se-lo e ser forte para não me ir tão abaixo quando as coisas não em correm assim tão bem. E ter uma personalidade forte ( a minha madrinha de vez enquando diz que eu tenho personalidade forte mas sinceramente não sei como ela viu isso em mim, porque axa isso, honestamente não sei mesmo, agrada-me ouvir mas não vejo mesmo quando ela viu isso) e com personalidade forte quero dizer aquele tipo de pessoa que não se deixa calcar os calor, que se impõe de vez enquando, eu já tive situações na universidade em que me calcaram os calos e me senti humilhada por estarem a faze-lo e eu não reagir, só uma vez em que cheguei ao limite e tive uma atitude mais forte de lançar um olhar a uma colega e depois de a prof me ter dado razão, lhe ter dito "era isso que estava a dizer" (isto foi a minha atitude mais forte imagine-se), mas não gosto muito de lembrar isso. Quanto ao extraovertida axo que é facil perceber, eu não gosto muito daquelas pessoas expansivas mas se calhar gostava de deixar uma primeira impressão mais divertida e menos acanhada provavelmente. Sincera ou frontal é uma coisa que me custa um bocadinho ser porque eu quando me dizem alguma coisa eu procuro o que pode estar por trás daquilo, como por exemplo quando uma amiga me disse no outro dia que estava muito bonita eu automaticamente estava a pensar se ela disse aquilo superficialmente, sem pensar muito, se disse aquilo porque eu costumo estar mais feia, enfim lool, então, quando chega a hora de dizer se eu axo que aquelas calças ficam bem a alguém eu tenho uma certa dificuldade de dizer quando não gosto e mesmo a forma de dizer que gosto é estudada antes de dizer porque não vá a pessoa ficar envergonhada ou triste. Por exemplo à minha mãe tenho àvontade para lhe dizer que não gosto muito do modelo das calças que ja vi coisas mais giras mas não faço a mesma coisa com muito mais pessoas. E o inteligente vem daquele meu complexozinho que por algum motivo me faz sentir mais pequenina quando vou pra universidade, axo que é basicamente lá que sinto isso. Axo que devia haver uma unidade de medida qualquer que medisse o nosso conhecimento e a nossa capacidade e assim eu já sabia com o que podia contar, se não fosse muito pelo menos sabia lool. Na verdade eu sei que já em pequenita eu pensava que quando fosse grande queria saber muitas coisas como o meu pai sabia e ao longo do tempo fui ganhando também essa coisa em relação ao meu irmão. Não sei se é aquela coisa de idolatrar o meu pai e o meu irmão mas axo sinceramente que não é, admiro muito as coisas que o meu pai sabe ou porque era uma criança das que ainda aprendia as coisas na rua e inda por cima numa aldeia aprendeu montes de coisas giras que nos ia ensinando, ou porque sabe coisas sobre países que nunca visitou mas de alguma maneira sabe, porque se interessa muito por animais, porque tem a necessidade ou o gosto, provavelmente as duas coisas de aprender. O meu irmão também não tinha grandes notas mas eu posso dizer que com notas melhores não fiquei a saber metade, porque ele ficava muito ervoso nos testes e havia sempre o estigma de estar numa turma que não era grande coisa e de ele não ser um aluno muito bom, mas a verdade é que as coisas que ele aprendeu na escola ficaram mesmo e mesmo na universidade ele tem uma capacidade de estudar que eu não tenho e fica mesmo a saber o que estuda, pode até não se lembrar no teste, mas se lhe perguntar depois ele sabe. E meso a capacidade de questionarem o que lêm e ouvem, não engolirem tudo o que lhes dizem, foi uma coisa que fui aprendendo e ainda aprendo com eles. Depois disto eu fico a achar que eles são uma esponja que absorvem a informação e eu sou talvez um coador que deixa passar quase tudo lool às vezes fico com a sensação que sou um coador com os poros mais abertos outras veze tenho a sensação que os poros são um bocado mais fechados lool. Bom e como estava a falar fiquei de tentar encontrar essas atitudes em mim em certas atitudes. Fazendo assim uma leve retrospecção axo que talvez tenha sido um bocadinho mais frontal que o costume numa situação. No outro dia vieram uns amigos dos meus pais cá a casa e o marido gosta um bocadinho de se armar em mais esperto que a mulher, gosta de mostrar que é melhor que ela (não é nada muito grave mas fa-lo) e estavam a ter uma conversa que não dá para explicar mas era sobre coisas em ouro, joias e ele estava a dizer que era ridiculo estar a comprar um anel de ouro porque quando se vai a vender não vale nada. Estava a dizer isto para contrariar a mulher e num tom e contexto que era mesmo para ridicularizar o que ela estava a dizer. Os meus pais estavam meios calados e sorriram mas não quiseram alimentar muito a conversa e eu contrariei o que ele disse e disse-lhe qualquer coisa como que também quando se comprava uma joia era por outro motivo qualquer não era a pensar no valor que ia ter quando se vendesse. Bom isto escrito não tem sentido nenhum, mas vá acreditem em mim lool normalmente não me meto muito nisso e depois até comento com os meus pais e liberto a minha raiva por a pessoa ter feito o que fez lool inda por cima não tenho assim grande confiança com as pessoas mas pronto fui um bocadinho mais frontal e mostrei de alguma forma que não estavamos exactamente a corcordar muito com ele (a sério que a história escrita não faz jus ao que aconteceu na realidade lool). Quanto às outras características não as reconheço assim em nenhuma atitude que tenha tido. Mas talvez as encontre afinal não somos só isto ou aquilo não é verdade? Aliás costumo dizer e pensar muitas vezes que não somos só bons ou maus, geralmente penso nisso em relação às outras pessoas quando fico desiludida com alguma atitude de alguém ou assim mas acredito que relamente as pessoas possam ter todo o tipo de atitudes, depois têm que alimentar as que acham certas, digo eu. Mas espero ainda comprova-lo comigo neste exercicio de procurar essas caracteristicas em mim, era muito bom. E já escrevi tanto, peço desculpa a quem tiver que ler isto tudo (passem partes à frente distraidamente,  ficarão a saber o mesmo provavelmente lool). E hoje axo que já escrevi tudo.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 00:55
link do post | dar palpite | ver comentários (3) | favorito

Sexta-feira, 2 de Julho de 2010

A J conseguiu passar a uma disciplina, eu também já a fiz mas fiquei triste. Sou muito horrivel por isso? Eu gosto muito dela e fico contente por ela mas ela é a pessoa com o percurso académico mais parecido com o meu e agora oficialmente sou a pessoa com o percurso académico mais miserável daquele curso. Tou sempre a pensar nisso e faz-me ficas com a auto-estima ainda mais em baixo. Eu tento pensar que realmente não estudei e por isso é que não consegui passar as disciplinas que não passei mas depois ponho-me a pensar que se calhar sou demasiado preguiçosa, não sou inteligente a esse nivel. Enfim o costume. Ninguém me pode sizer que não estou a pensar bem, que sou inteligente, que não sou preguiçosa, detesto quando me dizem as coisas por dizer, vou ter que viver com isso porque só com o tempo posso ver se sou capaz. E se não for? Enfim junte-se o facto de estar sempre a pensar numa pessoa que mal conheço e que provavelmente já nem se lembra de mim e é assim que estou. Pensar que se calhar perdi aquelas oportunidades que tinha de vir a conhecer melhor aquela pessoa que me despertou tanto interesse. Não tinha muito com ele, agora não sei o que tenho. Se calhar era melhor não pensar muito nisso mas é a minha vida.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 01:02
link do post | dar palpite | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 28 de Junho de 2010

Voltei a "sentir" aqueles olhares. Fui à universidade e ele estava lá. No dia anterior lembrei-me que talvez ele podesse estar lá mas pensei que era coincidência. Mas ele estava lá e foi tão bom vê-lo. Senti que ele olhava para mim, enquanto eu fingia não ver. A primeira coisa que me chamou a atenção quando cheguei lá foi ele. Os olhares dele, como já disse não são invasivos, ele não me olha de "cima a baixo" ele olha-me nos olhos e sabe tão bem. Acabei por trocar alguns olhares com ele e não dá para explicar como se pode sentir esta sensação com o olhar de uma pessoa que nem se conhece. Só sei o nome dele apesar de partilharmos o mesmo curso. A certa altura fui para outra zona e ele passou por lá e olhamo-nos nos olhos, só uns segundos, não sei o que significa para ele mas tem um olhar tão intenso que não sei explicar, não me sai da cabeça. Quando saiu da fila onde estavamos ele teve que passar no meio da fila e passou à minha frente. Não consegui evitar desviar os olhos para o chão. Eu sei que pareço uma miuda a descrever os pormenores de um encontro sem significado nenhum e que só eu vejo essas coisas. Mas quando o vejo fico sem dúvidas que ele me procura com o olhar por algum motivo. Não me agrada ficar muito empolgada com uma coisa que não passa de olhares mas não dá para evitar, nunca ninguém me tinha olhado assim. Sabe tão bem esta troca de olhares, faz bem ao ego e tenho a sensação que tou a partilhar alguma coisa (por mais insignificante que seja) com ele. Não sei se ele pensou uma vez que seja em mim quando não estamos no mesmo sitio e nem sei o que lhe passa pela cabeça para me olhar daquela maneira e sei que o mais provavel é ele não pensar em mim uma vez que seja, sei mesmo e sei que os olhares podem não ter o significado todo que eu crscentemente lhes fui dando com o repetir deles, mas adoro aquele olhar e gostava de saber o que há por tras dele. Se eu conseguisse não desviar o olhar, mas fico envergonhada, o coração bate mais depressa e o olhar não se mantém. Talvez se o fizesse desse algum tipo de proximidade mas a timidez não deixa. O que será que ele pensa quando olha para mim. Eu fico completamente intimidada, para além de fisicamente bonito é aparentemente inteligente, com as cadeiras todas feitas e concerteza  é uma pessoa que atrai muitas pessoas e a minha auto-estima, fraquita que é, não aguenta muito bem com isso.  Não quero dar importância de mais mas não posso deixar de me sentir feliz por estes momentos. Ai

"Aqueles olhares cruzados que dialogam em silêncio são uma expressão da cumplicidade existente entre as pessoas.

E quando assim acontece, as palavras tornam-se desnecessárias permitindo que em segredo sejam ditas tantas coisas!", será? Não quero dar mais força a estes olhares do que eles têm, mas é dificil não ficar de sorriso na cara com eles.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 16:49
link do post | dar palpite | favorito

Sábado, 19 de Junho de 2010

fiz exame e correu bem por acaso, depois fui tomar café com a J e falar um bocado. Estivemos lá e falamos de bastantes coisas. Depois um amigo de liceu telefonou-me e perguntou-me se queria ir com ele a um espectaculo organizado por uma professora e aceitei. Fomos, não foi bem o que estávamos à espera mas falamos e rimo-nos um bocado. A questão é que fiquei com uma sensação esquisita, não fiquei alegre ou bem disposta, estou sei lá como. Não tenho definição para o que estou a sentir mas é estúpido não estar animada por ter ido dar uma volta e ter falado com amigos. Se não saio estou aborrecida e triste porque não tenho com quem sair, quando saio fico com uma sensação estranha. As vezes parece que não me compreendo parece que estou a olhar para outra pessoa e a tentar perceber qual é a dela. Falei com a J e quando vinha embora, no carro vinha a pensar que, com ela, tinha estado bem e não estive a pensar em grande coisaa mas depois tava com aquela sensação estranha. Axo que me penalizo ou pelo que fiz ou pelo que possa ter feito e nem sei bem. Eu sei que não faz sentido, mas tou a tentar por por palavras as coisas que sinto e axo que pode ser isso, axo que interiormente estou com aquela coisa de ter dito alguma coisa que tenha deixado impressão de eu ser de uma maneira que eu não quero que pareça que sou (que frase complicada, mas nem me apetece explicar). Mas antes axo que conseguia ter mais noção dessas coisas, axo que eram pensamentos mais conscientes, agora é qualquer coisinha que ta la a remoer. Ou se calhar nem é isso sei lá, sinceramente é dificil explicar o sentimento mas é desconfortável. Parece que nunca estou satisfeita comigo ou sou feia, ou sou gorda, ou não pareço inteligente ou me vesti mal, ou me vesti bem de mais. A sério não sei o que se passa na minha cabeça mas parece que quando estou mais em baixo estou triste e quando estou aparentemente bem é desconfortavel estar assim, ou parece que estou a fazer um esforço constantemente mas sem ter consciencia disso, é como se estivesse distraídamente a carregar uma mochila às costas que está pesada e cheia de livros mas estou sem noção que ainda a tenho às costas e ainda não a pousei. Não sei se é habito de estar mais tristonha não sei se acredito que as coisas funcionem assim, axo que não deve ser assim tão simples mas também isso já é divagar muito. O que interessa é que devia estar animada e estou com uma sensação estranha e a vontade que tenho era de conseguir estar com pessoas e, ou não fazer comparações que me fazem mal ou ser mais segura de mim, valorizar-me a mim própria. Eu tenho orgulho nos meus valores, na minha educação, gosto da pessoa que sou intimamente, da parte de mim que as pessoas muito intimas conhecem. Mas quando estou com pessoas, nas coisas mais superficiais eu fico sem saber onde me agarra. Mesmo sabendo que a solução é simplesmente estar com as pessoas e viver as situações, depois fico com esta sensação desconfortavel e acabo por não ter vontade de estar com elas. Não é estranho ha uns dias querer estar com pessoas, e hoje, depois de ter estado já não ter assim muita vontade? lool sou mesmo desorganizada, até na cabeça lool.

See ya

escrito por sonhadoraincuravel às 01:17
link do post | dar palpite | ver comentários (6) | favorito

ora-deixa-ver-quem-é-esta-croma
Janeiro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


últ. comentários
mais do que isso tou com preguiça de ler o que esc...
olá, como vais? este blog é bom se tiver pernas pa...
olá menina, como é que tu estás? saudades tuas.. v...
olá menina. então, como é que tu vais ? eu vou bem...
olá. já tinha muitas saudades tuas. como estás ? p...
olá! eu também ia cheia de esperanças, quando come...
ola responi tardeas respndi. Sim eu tenho POC e e...
Olá...andava a fazer uma pesquisa sobre poc e enco...
olá! saudades tuas. ainda bem que estás bem. vê se...
tive uma grande necessidade de apagar todos os blo...
favoritos

2009.

pesquisar
 
Fazer olhinhos

blogs SAPO


Universidade de Aveiro